Publicado em 11/08/ 2021

Conheça o sistema Milk Run na logística, entenda como funciona e as vantagens para o seu negócio

Em um mundo dos negócios tão competitivo, a logística frequentemente se reinventa e traz inovações para sustentar a manutenção das organizações e operações. Um sistema que nasceu dessa reinvenção e necessidade de mudanças foi o Milk Run.

Na tradução literal do inglês para português, “Milk Run” significa “corrida do leite”. Parece estranho, não é? Mas seu conceito faz muito sentido, levando-se em conta o seu surgimento.

Conceito de Milk Run logística

Sabe aquelas histórias dos nossos antepassados em que os entregadores de leite realizavam suas entregas de porta em porta, no período da manhã, e coletava as garrafas vazias que ali ficavam?

O conceito de Milk Run tal como conhecemos hoje surgiu nos EUA, de forma parecida como a dessas histórias. Basicamente, o método se tratava da coleta em duas ou mais fazendas produtoras, com o cuidado de não se cruzar o caminho na rota. Dessa forma, retirava-se o leite e, depois, ele já era entregue em uma empresa de laticínios.

Esse sistema Milk Run foi modernizado e, hoje, é muito utilizado para ajudar na redução de certos custos logísticos e de abastecimento. Ele é utilizado principalmente na indústria automotiva, que tem como base o Just In Time.

Vamos entender melhor?

O que é o sistema Milk Run?

O que é o sistema milk run?

No início do século XX, as cooperativas de leite desenvolveram um método para economizar no transporte do leite das fazendas até as envasadoras.

Ao invés do produtor levar seu leite até as cooperativas, o que encarecia o produto devido ao frete, elas mesmas passaram a coletar o produto, reduzindo o custo de transporte, fazendo com que uma só carroça passasse por diversos produtores recolhendo as latas de leite.

Para agilizar o processo e não desperdiçar embalagens, estas foram padronizadas e, enquanto era recolhida uma lata cheia de leite, uma outra, vazia, era deixada na porteira da fazenda. Os tempos passaram, o mundo se modernizou e, com ele, o sistema Milk Run também.

O processo foi aprimorado e adaptado por vários segmentos, para fazer a ligação da cadeia logística, através de rotas programadas, e é aqui que entra o seu serviço. Dentro deste contexto, o sistema Milk Run tem por objetivo:

  1. Reduzir a grande quantidade de caminhões que realizam entregas em grandes lotes;
  2. Otimizar a quantidade de material transportado e o número de viagens ao cliente.

Aqui entra uma questão interessante que é a consolidação da cargas.

Como o sistema Milk Run funciona?

Como o sistema milk run funciona?

Antes de saber como funciona, vamos primeiro ampliar o entendimento quanto aos segmentos que podem utilizar o processo. Você conheceu como funcionava no segmento leiteiro, mas vale saber que esta técnica vai além e se aplica hoje a vários tipos de fretes, como:

  • Indústria Automobilística;
  • Naval;
  • Aeronáutica;
  • Termo tecnologia;
  • Agrícola;
  • Comunicação;
  • Eletrônico.

Uma vez entendido que a implementação do sistema Milk Run é abrangente para diversos segmentos, fica mais fácil imaginarmos como funciona a técnica. Então, basta saber que consiste do seguinte: Em um processo predefinido de entregas, ao mesmo tempo em que se deixa a mercadoria entregue, leva-se outra para economizar com os custos de transporte.

Ficou confuso? Acompanhe a lógica a seguir:

  1. Fábrica precisa de matéria-prima para produzir > contrata a transportadora para realizar as coletas em seus diversos fornecedores;
  2. As coletas são fracionadas, porém, utilizando-se um único veículo;
  3. Consolida-se a carga e entrega-se tudo de uma única vez.

Nesse caso, pode ser ainda que, no retorno, ela colete embalagens para reposição de transporte, iniciando novamente o ciclo, pois existem muitas empresas que possuem embalagens com padrões e que podem retornar para serem reaproveitadas.

Agora vejamos o sistema Milk Run em uma situação real

A montadora de veículos na cidade A tem uma fábrica de motores para veículos que ficam na cidade B. Ao mesmo tempo, essa fábrica de motores possui fornecedores nos arredores da região da montadora, localizada na cidade A.

Obs.: Até aqui, você pode estar dizendo que esse processo não tem muita lógica. Mas, na realidade, trata-se de uma situação real, de uma fábrica de motores localizada em Campo Largo/PR e uma fábrica de veículos em Betim/MG. É assim devido aos incentivos fiscais que a fábrica de motores tem no Estado do Paraná, que beneficiam pequenas e médias transportadoras na região.

Dessa forma, temos um processo Milk Run assim:

Esquema explicando o milk run

Como fazer as coletas no embarcador através do sistema Milk Run?

Primeiro, eu preciso sugerir que você leia este artigo sobre Os 7 segredos sobre coleta que todo transportador de cargas deveria saber.

E mesclando as ideias deste artigo com o sistema Milk Run, podemos incrementar alguns comentários:

  • Em um trâmite normal, imaginamos a carga fracionada, num processo de coleta e entrega com diversos veículos;
  • Porém este também pode ser através de alguns veículos, de uma forma um tanto quanto “dedicada”, mas que atenda o processo dentro do fluxo Milk Run
  • E podemos dizer que o termo fracionado entra no fracionamento das coletas ou entregas, dentro de um fluxo preestabelecido, mas que pode ser agregado dentro dos seus limites com consolidação de cargas para o transporte fracionado, dentro do Milk Run

Um exemplo disso? Vamos lá:

Conversando com um amigo que trabalha no comercial da área de transportes, ele me relatou sobre o caso de um cliente A de Curitiba/PR, com expedição de produtos de ar condicionado para a entrega em sua filial em Vitória/ES. Depois que a entrega dos produtos foi realizada, na mesma filial de entrega eram coletadas as embalagens e, na sequência, mais peças importadas eram buscadas no porto de Vitória.

O veículo de transporte retorna para Curitiba com essas coletas e, assim, retoma-se o processo Milk Run.

No entanto, devido às necessidades pontuais da transportadora, foi relatado ao cliente A (de Curitiba) que havia sempre uma ociosidade na carreta para esta transferência de Curitiba para Vitória. Além disso, na transportadora também existiam processos de transferência de São Paulo para o Rio de Janeiro, onde também existiam filiais da empresa.

Dessa maneira, em conjunto com o cliente A, foi exposto à situação de redução no valor cobrado do frete, mediante a consolidação da carga. Assim, a transportadora se responsabilizava pela integridade da carga coletava em Curitiba, sem remonte e, com o espaço sobrando na carreta, coletava-se os volumes em São Paulo para serem entregues na unidade do Rio de Janeiro. Na sequência disso, seria realizada a entrega do cliente A, no Espírito Santo.

Em resumo, nesse processo houve o tão desejado “ganha-ganha” por parte dos envolvidos, fracionando-se mais o processo de coleta e realizando-se o sistema Milk Run, ainda com a consolidação da carga.

Quais as vantagens e desvantagens do sistema Milk Run?

Vantagens e desvantagens do milk run

Você é prestador de serviços, certo?

E cabe a você suprir de soluções os serviços de transporte para conquistar clientes.

Para a implementação do sistema Milk Run, temos o entendimento que um determinado fabricante necessita da matéria prima para produzir seus produtos.

Então em vez dos fornecedores, que estejam em uma roteirização lógica, continuada, enviarem os itens, um a um em tempos espaçados, cria-se esta logística de entrega e coleta, aproveitando o veículo de viagem para realizar este processo tanto na ida, quanto na volta.

Com o sistema Milk Run, o acúmulo de mercadorias em seu cliente reduz, você ajuda-o na sua organização interna e supre este cliente com uma solução com consolidação de cargas de forma inteligente.

Vantagens do Milk Run para o cliente

  • Redução nos gastos com frete;
  • Aumento no giro do estoque;
  • Diminuição do número de veículos na empresa;
  • Maior assertividade na frequência de entregas;
  • Queda nos níveis de estoques dos fornecedores;
  • Sistema just in time entre fornecedor e empresa;
  • Agilidade e flexibilidade.
Vantagens do milk run

Vantagens do Milk Run para a transportadora

  • Redução de carregamentos inativos;
  • Baixo índice de avarias no transporte;
  • Agilidade e flexibilidade;
  • Roteiros predefinidos;
  • Possibilidade de aproveitamento de espaço para consolidação de cargas;
  • Possibilidade de maior ganho, quando das necessidades extras e emergenciais dos clientes, diante da cobrança de um frete a maior do comparado com o cobrado no fluxo normal.

Obs.: você pode estar achando, que o cliente terá mais vantagens, te digo que não necessariamente, isso se você analisar muito bem todo o contexto e continuar lendo este artigo.

Desvantagens do Milk Run para a transportadora

  • Necessita de sincronia entre fornecedores e demanda do seu cliente;
  • Chances de perda de credibilidade com os fornecedores;
  • Comprometimento de todo o processo, para transportadora e cliente, quando a atrasos na disponibilização dos insumos ou na fabricação dos produtos do seu cliente.

Pré-requisitos para aplicar o sistema Milk Run na logística

Como implementar o sistema milk run
  • Identificação da necessidade;
  • Planejamento prévio considerando a quantidade compatível com o caminhão bem como a estrutura para embarques e desembarque;
  • Planejamento prévio quanto à quantidade de fornecedores a coletar;
  • Itinerário;
  • Tempo para de translado.

Análises acima as quais de forma direta ou indireta já fazem parte do nosso dia a dia, porém quando aplicado a uma necessidade e imposição dentro de uma negociação, se faz necessária à aplicação.

Quais empresas usam o sistema Milk Run?

Alguns exemplos de empresas que usam o sistema Milk Run são:

  • Volvo;
  • MWM;
  • Caterpillar;
  • Toyota.

Milk Run: Conclusão

Milk Run: Considerações finais

O sistema Milk Run é um sistema logístico o qual é implementado também dentro do Just in Time.

A aplicação deste processo dentro de um sistema de produção vem a culminar com o nosso trabalho de transportador, pois o nosso serviço é uma parte, dentro de todo o sistema de produção que tem que fluir para o nosso cliente.

Como transportador, podemos pensar que a otimização das rotas pode vir a ser uma queda no faturamento, porém se pensarmos num todo, não, pois a adequação de veículos dentro de um processo preestabelecido, te proporciona:

  • Maior controle da frota;
  • Menor desgaste dos veículos;
  • Menor quantidade de mão de obra;
  • Satisfação e fidelização do seu cliente por proporcionar um serviço que impacta diretamente na produção, bem como em todo o ciclo do sistema Milk Run logística.

Sendo assim, atente as necessidades das empresas da sua região e mãos à obra, o sistema Milk Run pode ser uma excelente alternativa para você e seu cliente.

Comente aí embaixo o que você achou do Milk Run e se faz sentido dentro do seu negócio!

Até o próximo artigo!

Redação do Frete com Lucro

Redação do Frete com Lucro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe este conteúdo
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
F-azul-transp.png

Seja um assinante Frete com Lucro e receba conteúdos exclusivos.