COMO CALCULAR O PREÇO DO FRETE? CONHEÇA 4 FERRAMENTAS

calcular o preço do freteVocê sabe calcular o preço do frete correto para maximizar o lucro da sua transportadora? Acredite ou não, essa é uma das principais dúvidas dos processos de movimentação de cargas rodoviárias. Muitas variáveis impactam o valor, e fazer a contagem com precisão pode ser um desafio.

Isso significa que a principal dificuldade do cálculo do frete é compreendê-lo. É fundamental dominar todas as características e os fatores que interferem nessa contabilização para evitar uma cobrança errada e garantir que o seu negócio alcance seu potencial máximo.

Devido à importância do assunto, neste post vamos apresentar 4 ferramentas que interferem nesse cálculo. Também veremos como otimizá-lo e quais são os principais desafios desse processo para simplificar a sua rotina diária. Acompanhe!

Otimização do cálculo de frete

O cálculo de frete é necessário sempre que uma movimentação deve ser realizada. Por contar com diferentes variáveis, é preciso executá-lo para cada transação. Caso contrário, há um grande risco de cobrar o valor errado e sua transportadora ter prejuízo.

Nesse momento, é preciso saber quais são as bases gerais do cálculo. Primeiramente, é preciso conhecer os tipos de frete descritos a seguir.

Direto ou normal

A carga é coletada no remetente e enviada ao destinatário. Os tributos são empregados no cálculo conforme o regime de recolhimento ou a legislação estadual.

Subcontratação

Sua transportadora faz uma subcontratação para o transporte — ou seja, deixa de utilizar meios próprios — para que outra empresa faça as entregas. Geralmente a prestadora do serviço emite o Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) com isenção de impostos.

Frete CIF

O remetente se responsabiliza sobre o pagamento do seguro da carga, a gestão de riscos e o valor. O custo está inserido no preço final dos itens. É mais utilizado em operações B2C (Business to Consumer), quando as empresas vendem para o consumidor final.

Frete FOB

O frete Livre a Bordo faz o cliente ser responsável pelo pagamento do custo da movimentação, do seguro e da gestão de riscos. O destinatário sempre é responsável por cuidar do processo com a sua transportadora. Por isso, é mais adotado em operações B2B (Business to Business), quando empresas comercializam para outras companhias.

Carga fechada

A mercadoria ocupa todo o espaço do caminhão ou sua maior parte. Há apenas um ponto de entrega, então o frete é calculado com base no tamanho do transporte, nas características da carga (por exemplo, perecível) e na distância percorrida.

Carga fracionada

O transporte é de pequenos pedidos. Existem vários pontos de entrega pelo trajeto. A cobrança abrange outros fatores, como peso do item, espaço ocupado no veículo, distância percorrida e mais.

A depender do tipo de frete conforme as categorias apresentadas, as variáveis podem interferir no cálculo. As mais comuns são as listadas a seguir.

  • Peso: usa o peso bruto ou cubado da carga e a cobrança é feita sobre o maior montante.
  • Valor: utiliza a quantia apresentada na nota fiscal para base do cálculo.
  • Distância percorrida: tem relação com o valor, sendo diretamente proporcionais. Isso significa que quanto mais longo for o percurso, mais alto é o custo. A despesa com combustível é a maior parte da apuração.
  • Modal de transporte: é válido quando a movimentação da mercadoria é feita por uma via diferente da rodoviária.
  • Tributos e pedágios: abrange a cobrança de impostos, como ICMS e ISS, além do pedágio.

O cálculo comum é feito com base na seguinte fórmula:

Comprimento x largura x altura x fator de cubagem

No caso dos caminhões, 1m³ equivale a 300 quilos. A ideia é relacionar o peso da carga ao espaço ocupado, mas nessa contagem ainda é preciso levar em conta os gastos indiretos, como o de mão de obra.

4 ferramentas para calcular o preço do frete com segurança

A contabilização somente é feita de maneira precisa com o uso de planilhas. Essas são as ferramentas ideais para garantir o cálculo correto do preço do frete para transportadoras de pequeno e médio portes. Caso o negócio seja maior e utilize um sistema de gestão PNS, é possível fazer a análise dentro dele.

Perceba que a ideia de usar as planilhas é simplificar, isto é, transformar as variáveis implicadas em um método fácil e sequencial. Para isso, vale a pena responder a 5 perguntas:

  1. O que será transportado?
  2. Quando será transportado?
  3. Onde será transportado?
  4. Como será transportado?
  5. Quem transportará a mercadoria?

Todos esses questionamentos abrangem os conteúdos apresentados no tópico anterior. Além disso, você precisa considerar os custos variáveis, fixos diretos e indiretos. Os primeiros são calculados por quilômetro rodado e abrangem combustível, pneus, recauchutagem, recapagem, câmaras, manutenção, lavagens, lubrificantes etc.

Os segundos são avaliados por dia e envolvem depreciação do veículo, remuneração de capital, motorista, seguro e IPVA. Por sua vez, os custos indiretos são despesas administrativas, diárias e impostos. Ao inserir todas essas variáveis nas planilhas, você consegue obter o resultado.

A seguir listamos as 4 principais ferramentas para fazer esse cálculo. Veja!

1. Cálculo de frete tipo lotação (frota própria)

Essa planilha é voltada para a simulação de custos e valores de frete, qualquer que seja o tipo de veículo utilizado na frota.

2. Cálculo de frete tipo lotação (frota terceira)

Seu objetivo é permitir o cálculo para essa modalidade de frete, em que um autônomo realiza o transporte. Assim, o valor cobrado do embarcador é o correto.

3. Cálculo de frete tipo fracionado (frota própria)

A ideia é ter uma tabela de preços para apresentar ao seu cliente ou passar uma cotação no momento em que é solicitada, mesmo que seja por telefone. Nesse caso, é preciso apenas ter uma cópia dessa planilha para cada veículo da frota.

4. Cálculo de frete tipo fracionado (frota terceira)

Essa planilha também funciona como uma tabela pronta, mesmo quando é utilizado um veículo de terceiros. Assim, você tem agilidade para passar cotações.

Com essas 4 ferramentas é possível calcular qualquer tipo de frete e ter um resultado preciso. Além disso, se você utilizar uma planilha de gestão de fretes, é possível registrar os resultados mensais para comparações posteriores.

É importante mencionar ainda que a diferença entre esses 4 tipos de planilha é o uso que você dará a elas, isto é, se o veículo adotado é da sua transportadora ou de terceiros, e se será utilizado por completo ou apenas uma parte.

Todas essas planilhas estão disponíveis entre os materiais da Frete com Lucro. A vantagem de utilizá-los é conseguir simplificar a rotina, já que os resultados aparecem automaticamente, sem exigir que os cálculos sejam feitos de maneira separada. Assim, há redução do tempo dispensado.

Vantagens do cálculo automatizado

Trabalhar com uma planilha que apresente as informações e as disponibilize com agilidade oferece várias vantagens. No caso das ferramentas que listamos, um dos benefícios é que a automação é feita por um arquivo Excel.

O cálculo de frete é dividido em dois tipos de entrada e outros dois de saída. Os primeiros se referem ao modelo de veículo (próprio ou de terceiro). Os últimos estão relacionados à forma de realização do transporte (carga lotação ou fracionada).

Se você usar um carro da sua transportadora para realizar o frete, deve considerar algumas despesas como gasolina, manutenção e outras. Se o veículo utilizado for de outra pessoa, o gasto é apenas do pagamento do serviço. Ao fazer o deslocamento, também é possível lotar um veículo inteiro ou pegar apenas um pedaço dele.

Por isso existem 4 formas de calcular o frete, o que requer a mesma quantidade de planilhas. Assim você deixa de fazer pequenos cálculos para chegar ao resultado final, porque eles já estão prontos. O trabalho é apenas o de inserir números exatos para receber os valores certos.

Todas essas características se refletem em:

  • padronização dos processos;
  • aumento da produtividade;
  • agilidade no processo de cotação;
  • previsibilidade da demanda;
  • aumento da competitividade;
  • diminuição dos erros;
  • melhoria do atendimento aos clientes;
  • elevação da confiabilidade.

Com essas ferramentas fica muito mais fácil calcular o preço do frete, certo? Agora você já entende quais variáveis precisam ser consideradas e quais são os benefícios obtidos por meio da automação.

Gostou dessa dica e quer receber outros conteúdos do nosso blog? Então assine a nossa newsletter!