7 Principais tipos de frete que você precisa conhecer
Conheça os tipos de fretes mais adequados para sua empresa

7 Principais tipos de frete que você precisa conhecer

O Brasil tem um mercado de transportes rodoviários bastante movimentado, o que significa muitas oportunidades de negócios para transportadores. No entanto, para aproveitá-las, é preciso conhecer os principais tipos de frete do mercado.

Nosso país tem uma grande dependência dos transportes rodoviários. Mas, conhecendo os principais tipos de frete, você pode definir melhor como será a sua atuação no mercado e aumentar sua produtividade.

Quer fazer seu negócio de transporte de carga crescer? Então continue lendo para conhecer 7 tipos de frete que podem ser adequados para você!

Acompanhe!

7 Tipos de frete que vale a pena conhecer

Como você viu, existem inúmeras oportunidades no transporte rodoviário para autônomos e empresas do setor. Para encontrá-las, é fundamental conhecer as principais modalidades de frete com as quais você se deparará no mercado brasileiro.

A seguir, confira 7 tipos de frete que podem contribuir para a expansão das suas atividades. Confira!

1. Normal

O frete normal é uma modalidade convencional de transporte. Além do contratante e do contratado, não há outras partes envolvidas na prestação do serviço. Isso significa que o mesmo prestador de serviço faz a coleta, o transporte e a entrega.

Tudo isso sem a participação de um parceiro. Esse é o tipo de frete geralmente usado por caminhoneiros autônomos. Eles podem combinar o serviço até mesmo com a ajuda de aplicativos que os ajudam a encontrar clientes interessados.

2. Redespacho

No redespacho, o serviço é prestado por duas transportadoras. Uma lida com o remetente, combinando o serviço e fazendo a coleta. Mas essa empresa leva a mercadoria só até determinado ponto, redespachando-a em seguida por meio de outra transportadora.

A segunda empresa de transporte se encarrega de levar a mercadoria até o cliente, encerrando assim o transporte. Essa formação de parcerias aumenta a capilaridade das transportadoras. Dessa forma, contribui para a expansão de sua área de cobertura e a otimização do transporte.

3. Redespacho intermediário

O redespacho intermediário é parecido com o redespacho convencional, mas sua dinâmica envolve a participação de mais empresas de transporte. A transportadora encarregada do redespacho intermediário não faz a coleta e o transporte inicial nem a entrega ao destinatário.

Ela atua em um trecho intermediário. Um transportador faz a coleta e transporta a mercadoria até determinado ponto. Então ela faz o redespacho em um parceiro, o qual se encarrega do frete até outro ponto.

Em seguida, é feito o redespacho intermediário, momento em que outro transportador entra em ação. Esta, por fim, faz a entrega ao cliente, encerrando o transporte.

4. Subcontratação

Na subcontratação, o transportador combina o serviço com o cliente, mas delega o transporte a uma empresa parceira. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando a localidade de destino está fora do campo de atuação da transportadora.

É interessante notar que essa modalidade de frete é usada tanto por transportadoras pequenas quanto por aquelas de grande porte. O que está em questão é a possibilidade de se reduzir custos e expandir a área de abrangência, aumentando assim a capilaridade do serviço.

5. CIF

As letras CIF correspondem a Cost, Insurance and Freight, que significa custo, seguro e frete. Nesse tipo, o remetente se responsabiliza não apenas pelo custo de frete, mas também pelo gerenciamento de riscos.

Isso envolve o pagamento de um seguro que cobre a mercadoria no caso de danos e extravios. O frete CIF é muito usado por lojas – quando enviam aos clientes os produtos que eles compraram. Inclusive, é comum que o custo do seguro esteja embutido no próprio preço do produto.

Quanto ao frete, o cliente normalmente se encarrega dessa despesa também. Assim, na hora de a empresa fazer a remessa na transportadora, a mercadoria é enviada com seguro. Vale destacar que o tipo de frete CIF contribui para o bem de todos os agentes envolvidos.

6. FOB

FOB é a sigla para Free on Board, que corresponde a “livre a bordo”. Nesse tipo de frete, a responsabilidade do remetente cessa assim que a coleta é feita. Quem arca com os custos é o destinatário, e o pagamento é feito mediante a entrega da carga.

Estes custos incluem não somente o frete, mas também o seguro das mercadorias. Assim, você pode ver que os fretes CIF e FOB se diferenciam na questão da responsabilidade sobre a carga.

7. Intermodal

No frete intermodal, é usado mais de uma modalidade de transporte para a condução da carga até o destino. Além do rodoviário, pode ser necessário recorrer aos modais aéreo, ferroviário e aquaviário. É interessante notar que os documentos referentes ao transporte são emitidos para cada modal individualmente.

Esse é um dos fatores que diferenciam o frete intermodal e o multimodal. Neste último, é emitido apenas um conhecimento de carga. Além disso, o frete multimodal geralmente é usado para o transporte de commodities, e não tão usado para produtos manufaturados.

No frete intermodal, é feito um contrato de acompanhamento a cada vez que a carga passa para outro modal. Com o aproveitamento de diversos meios de transporte, é possível conferir eficácia e agilidade ao frete.

Como incrementar seu negócio com novos tipos de frete?

Depois de conhecer os principais tipo de frete, vale a pena saber como ampliar suas atividades. Uma maneira de vender mais fretes é analisar os clientes que você já possui e procurar entender as necessidades deles.

Talvez você descubra demandas que, até o momento, estavam passando despercebidas. Em alguns casos, pode ser preciso aumentar a sua área de abrangência para atender a essas necessidades. Nesse caso, parcerias talvez contribuam para a prestação do serviço.

Um bom planejamento é outro fator fundamental para a lucratividade de uma transportadora ou transportador autônomo. Em fretes mais distantes, pode ser preciso embutir no preço o custo do retorno do veículo. Outra possibilidade seria assumir essa despesa.

No entanto, as duas opções apresentam desvantagens. Com um bom planejamento, você pode conseguir um frete de retorno, o que tornará as operações ainda mais eficientes. Iniciativas assim podem ser um passo importante para o crescimento e o fortalecimento do seu negócio no mercado.

Como você viu, existem diversos tipos de frete, e alguns deles podem ser adequados às suas operações. Em determinados casos, vale a pena fazer parcerias, a fim de aumentar a sua área de abrangência e aproveitar as oportunidades disponíveis para incrementar seus ganhos! O que acha de aumentar seu conhecimento com relação aos fretes? Confira 7 segredos que todo transportador deveria saber sobre coleta e entrega!