Publicado em 17/11/ 2021

Conheça o processo de agregar Fiorino à transportadora e descubra quais empresas agregam o veículo

Você já se perguntou se vale a pena agregar Fiorino à frota de uma transportadora? Motoristas autônomos ou donos de pequenas empresas podem utilizar esta saída para aumentar seu número de fretes e, assim, garantir maiores e melhores lucros no fim do mês. E as transportadoras, ao agregarem veículos, também têm suas vantagens.

Mas, para ter sucesso no agregamento de Fiorino, é necessário estratégia e planejamento. Por isso, é fundamental entender como funciona o processo e colocar na balança as possíveis vantagens e desvantagens.

Nós que desejamos que você tome a melhor decisão, então produzimos este conteúdo para explicar se vale a pena o agregamento de Fiorino à frota — tanto para motorista como para a transportadora — e conhecer todos os cuidados necessários que envolvem o processo e a escolha.

Vamos lá? Continue acompanhando. Boa leitura!

Como funciona o agregamento de veículos?

Agregar veículos é o ato de realizar um acordo entre motorista e transportadora referente ao comprometimento de realização de transportes para a empresa. Para entender melhor, é preciso conhecer as partes desse contrato e como elas se vinculam.

De um lado está um motorista autônomo que tem um veículo próprio em seu nome — que pode ser comprado ou arrendado. De outro lado está a transportadora que deseja contar com um motorista fixo para realizar os transportes necessários.

Agregando Fiorino à uma transportadora

O Fiorino pode ser agregado à frota da transportadora e o motorista passa a prestar serviços exclusivos à empresa. Essa forma de contratação não pode ser confundida com um vínculo empregatício, pois há diferenças importantes.

Isso de dá porque, primeiro, não há necessidade de pagamento de verbas trabalhistas por parte da transportadora, isto é, não existe salário fixo, adicionais como férias e décimo terceiro, vale-alimentação e outras regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Já o motorista não está subordinado formalmente à transportadora. Nesse sentido, não há registro na carteira nem cumprimento de jornada de trabalho e horários prestabelecidos. Além disso, o veículo continua em seu nome e ele é responsável pelo transporte.

Também não se pode confundir o agregado com o terceirizado. Como você viu, ao agregar um veículo, utiliza-se os serviços de um motorista autônomo, que passa a executar transportes de forma exclusiva à transportadora.

Na terceirização há o intermédio de uma empresa terceirizadora que tem um vínculo empregatício com o motorista. Logo, ela oferece a mão de obra por meio de contratos com a transportadora e não diretamente com o motorista.

Como agregar Fiorino?

Se você decidiu que agregar Fiorino à frota da transportadora pode trazer vantagens para seu negócio é preciso saber como realizar esse processo. Para isso, é essencial fazer um contrato para agregar veículos com um profissional qualificado.

Nesse contrato devem constar todas as regras referentes ao negócio. As principais são os dados pessoais do proprietário e do motorista, a qualificação do veículo e informações sobre o modelo.

Também existem diversas exigências para que o contrato de agregamento de Fiorino seja regular. Entre elas estão a forma de pagamento que deve ser predefinida. Você pode optar entre diversas alternativas para calcular o pagamento dos serviços, veja só:

  • valor por quilômetro rodado;
  • percentual da nota fiscal da carga;
  • pagamento semanal;
  • pagamento mensal;
  • pagamento por viagem.

Além disso, questões como pagamento de pedágios, frete da volta, frequência de transportes e período da agregação são fundamentais no contrato.

Onde agregar Fiorino? Encontre as empresas que você procura através da ferramenta Agrega+

Você, motorista ou pequeno transportador, que deseja saber onde agregar Fiorino, tem nas suas mãos uma ferramenta incrível para buscar por excelentes oportunidades de fretes. Através da plataforma Averba+, você cria um cadastro e encontra as oportunidades que você procura para agregar seu veículo à uma transportadora.

O cadastro é gratuito e você pode utilizar o cadastro básico, sem pagar nada por ele! No vídeo a seguir, veja como funciona o cadastro para motoristas:

Quais os cuidados ao realizar o processo de agregar Fiorino?

Agora você conhece algumas das regras para agregar Fiorino à frota. É preciso tomar cuidados importantes para não ter problemas nesse processo. E o principal deles se refere à documentação. 

Documentos ao agregar Fiorino

Sempre exija os seguintes documentos antes de agregar o veículo à frota:

  • Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do motorista;
  • RG e CPF;
  • Comprovante de residência;
  • Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC);
  • Número da conta bancária.

Requisitos exigidos ao agregar Fiorino

Além disso, não deixe de exigir os seguintes requisitos para os motoristas proprietários dos veículos agregados:

  • rastreamento veicular;
  • seguro auto compatível com os transportes a serem realizados;
  • veículo com menos de 10 anos do lançamento.

Cuidados com uma possível relação empregatícia

Por parte do contratante, também vale a pena tomar cuidados importantes para não configurar uma relação empregatícia. Dessa maneira, não pode haver subordinação nem um controle de jornada de trabalho, por exemplo. Afinal, essas são exigências da CLT.

Se ficar comprovado que o motorista cumpria horários, era subordinado e outros requisitos da relação empregatícia, ele poderá requerer um reconhecimento de vínculo judicialmente. Assim, a transportadora terá que pagar todas as verbas em atraso e indenizações.

Por que agregar Fiorino é vantajoso para a transportadora?

Eu acho que já deu para conhecer algumas das principais vantagens de agregar veículos em geral à frota de uma transportadora. Mas e no caso de agregar Fiorino, será que vale a pena? Para responder a esta pergunta, você precisa conhecer bem o carro e verificar se ele pode suprir as necessidades da empresa.

Sobre o veículo Fiorino

O Fiorino é um veículo da classe comercial leve. Ele é fabricado desde 1977 pela marca italiana Fiat, muito conhecida dos brasileiros. Na Europa, foi vendido até 2000, voltando com um novo modelo em 2007.

No entanto, no Brasil ele foi fabricado e vendido ininterruptamente desde o ano de seu lançamento. Além disso, o Fiorino já passou por três gerações, sempre baseado em outros carros da montadora e com uma carroceria maior para carga.

A terceira geração brasileira, comercializada até o momento em 2021, foi lançada em 2013. Ele é baseado no Novo Uno, um carro popular da Fiat. O Fiorino, contudo, possui modificações importantes para o transporte de cargas.

O modelo 2020 apresenta 3 versões e tem carroceria de furgão/picape com capacidade para até 650 kg de carga. É possível encontrá-lo em versões com a caçamba aberta ou totalmente fechada, dependendo da necessidade.

Agregar Fiorino significa ter um veículo versátil à disposição

Eu poderia dizer que esta é uma vantagem do Fiorino: sua versatilidade. Ele não necessita de carteira de categorias especiais, dado o seu tamanho menor em relação a outros veículos de transporte. Ainda assim, pode suportar até 650 kg de carga e é adequado para transportes dentro da cidade ou entre municípios.

Por ser baseado no Fiat Uno, ele é considerado um carro econômico, mas a sua autonomia depende do uso, da carga e da rota. Ele também possui diversos tipos de motores de várias categorias, o que pode facilitar a escolha por um modelo ideal para suas necessidades.

Então, para resumir, de acordo com a nossa avaliação… sim, é bastante vantajoso agregar Fiorino na transportadora.

Estabilidade de motoristas

A primeira vantagem ao realizar o ato de agregar Fiorino diz respeito a contar com uma estabilidade de motoristas. Isso porque não será necessário entrar em contato com diversos prestadores de serviços para verificar quais deles podem realizar o transporte.

Com um motorista com veículo agregado, basta entrar em contato, informar sobre o transporte e contar com os serviços. Isso reduz a necessidade de procura por interessados, avaliação de valores cobrados e outros procedimentos burocráticos.

Com um Fiorino agregada, você já sabe como o motorista trabalha, seu desempenho e particularidades. Caso precise entrar em contato com motoristas autônomos, a logística pode ser prejudicada. Afinal, eles terão características diferentes que devem ser consideradas.

Facilidade na hora dos transportes

Essa estabilidade sobre a qual comentei um pouco antes também evita dificuldades para os seus transportes. Ao receber um pedido de carga e buscar motoristas prestadores de serviços, por exemplo, é possível que a transportadora não encontre a pessoa certa para o serviço.

Nesses casos, você depende da disponibilidade de cada um, do veículo que possuem, do valor que cobram e de outros detalhes. Desse modo, pode ser que o transporte aconteça depois do prazo ou mesmo não possa ser realizado.

Isso traz diversos problemas para a transportadora, já que os embarcadores terão uma experiência negativa com o pedido de transporte. Portanto, eles podem buscar concorrentes ou não retornar para novos pedidos.

Redução de custos

Todos os benefícios citados até aqui em relação á agregar Fiorino geram a redução de custos para a empresa de transporte de cargas. Como você viu, com um motorista agregado não há necessidade de fazer registros na carteira de trabalho.

Como o agregamento de Fiorino não é considerado uma relação de emprego, também não gera os encargos trabalhistas normais. Assim, a transportadora não precisa pagar férias, horas extras, adicionais noturnos, entre outros custos do vínculo empregatício.

Ademais, ao agregar Fiorino, não é necessário ter que buscar motoristas diferentes para cada viagem. Nesse sentido, há uma redução de custos em relação à logística. Basta entrar em contato com o agregado e informar sobre o transporte de carga.

Além de Fiorino, quais são os outros veículos mais comuns para agregar?

Além de agregar Fiorino, uma transportadora pode ficar interessada em agregar outros veículos da mesma categoria, devido às possibilidades e capacidades desses tipos de veículo.

Além do Fiorino, existem 3 veículos comerciais leves de carga que merecem destaque. Eles têm capacidade de carga no baú de 800 kg no modelo 2020. São: Renault Kangoo, Citröen Berlingo e Peugeot Partner.

Apesar de todos terem mais capacidade de carga do que o Fiorino, é preciso considerar as dimensões do baú. Essa informação é muito importante para o transporte, principalmente para as cargas indivisíveis.

Nesse sentido, confira as dimensões dos modelos apresentados:

  • Fiorino 2020: o baú tem 1,88 m de comprimento, 1,33 m de altura e 1,08 m de largura;
  • Kangoo 2020: baú com altura de 1,21 m, comprimento de 1,96 m e 1,67 m de largura;
  • Berlingo e Partner: possuem o mesmo baú com 1,25 m de altura, 1,16 m de largura e 1,70 m de comprimento.

Agregar Fiorino: Considerações finais

Conseguiu definir se vale a pena agregar Fiorino à frota da transportadora? Como você viu, é preciso considerar as necessidades de transporte da empresa e também as possibilidades do veículo. Desse modo, será possível avaliar a alternativa.

Quer contar com outros serviços fundamentais para os transportes de carga? Então confira os seguros de carga da nossa parceira Mutuus!

Guilherme Bitencourt

Guilherme Bitencourt

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe este conteúdo
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
F-azul-transp.png

Seja um assinante Frete com Lucro e receba conteúdos exclusivos.