Publicado em 14/02/ 2021

Saiba como o seguro de carga funciona, quais são os tipos e entenda como economizar no valor do prêmio!

No Brasil, todos os meses, milhões e mais milhões de cargas são roubadas nas rodovias brasileiras. Esta é a primeira razão que poderíamos usar para convencer você de que o seguro de carga é indispensável para qualquer empresa, mas existem ainda outros bons motivos.

O fato é que algumas modalidades do seguro são obrigatórias. Tratam-se do Seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga (RCTR C) e do Seguro de Transporte Nacional, conforme determinam o artigo 20 do Decreto-Lei nº 73/1966 e o artigo 10 do Decreto nº 61.867/1967.

É importante reforçar também que ninguém que contrata um seguro deseja precisar acioná-lo. No entanto, se qualquer imprevisto infelizmente acontecer, a apólice será a responsável por assegurar toda a devida proteção às cargas e à operação, como um todo.

Mas contratar um seguro de transporte não precisa ser uma coisa chata. Só é preciso que você esteja munido de informações para contratar as condições adequadas ao seu negócio e por um preço justo. Para saber tudo, continue acompanhando. Desejo uma boa leitura!

Quais são os tipos de seguro de cargas?

Tipos de seguro de carga

Primeiro, vamos conhecer os tipos de seguro de carga existentes? Vai ser mais fácil para você entender exatamente a dinâmica desse mercado e encontrar as oportunidades certas para o seu negócio!

Para começar, o seguro de transportes pode ser contratado tanto por embarcadores quanto por transportadores. Como assim? Calma, sem motivo para sustos!

Dê uma olhada no papel de cada um deles para saber como os diferentes tipos de seguro de carga entra em cada uma dessas categorias. 🙂

Seguro de carga para embarcadores

O embarcador é, em geral, do dono da carga, ou seja, a empresa que necessita do deslocamento do produto entre dois pontos da cadeia de suprimentos e, assim, contrata o serviço de transportes. Aqui, ele é responsável pelo controle do transporte de modo gerencial.

Dessa forma, sendo o embarcador o proprietário da mercadoria, o seguro de carga contratado por ele garante o ressarcimento do valor segurado em caso de sinistro. Existem dois tipos de seguros de transportes voltados para o embarcador. Acompanhe!

Seguro de Transporte Nacional

  • É um seguro de carga obrigatório que protege o segurado contra danos ocorridos durante o transporte de bens ou mercadorias;
  • A sua cobertura para a circulação doméstica de cargas garante indenização por:
    • danos e prejuízos causados à mercadoria durante o transporte em quaisquer vias, sejam terrestres, aéreas ou marítimas, em caso de acidente com o veículo, provocado por colisão, capotagem, abalroamento, tombamento, incêndio ou explosão;
    • roubo das mercadorias transportadas por ação de assalto à mão armada ou desaparecimento da carga (quando o veículo também é roubado). A cobertura contra roubo, no entanto, precisa ser contratada adicionalmente.
  • Permite que a mercadoria seja transportada pelo embarcador em sua frota própria, por uma empresa transportadora contratada ou por um transportador autônomo.

Seguro de Transporte Internacional

  • Não é um seguro de carga obrigatório, mas protege o dono da mercadoria contra riscos durante o transporte em viagens internacionais;
  • Cobre todos os danos decorrentes do transporte rodoviário, aéreo, marítimo ou ferroviário, do embarque até a entrega da carga em seu destino final;
  • É dividido nas categorias importação e exportação;
  • Pode ser contratado com coberturas adicionais para guerras, greves, tumultos, despesas, frete, impostos, lucros esperados para a mercadoria que estiver destinada à revenda ou industrialização e deterioração de carga e outras.

Seguro de carga para transportadores

O transportador é o responsável pelo transporte da carga, ou seja, é a empresa ou o autônomo que realiza o deslocamento dos bens ou mercadorias.

Por não se tratar do dono da carga, o transportador pode contratar apenas seguros de carga de responsabilidade civil sobre o transporte rodoviário. Isso significa que, caso ocorra algum sinistro, ele aciona a seguradora para cobrir a sua responsabilidade.

Para o transportador rodoviário, basicamente, existem três tipos de seguro de cargas. Confira!

Seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga – RCTR C:

  • É um seguro de carga obrigatório;
  • Normalmente, é chamado de Seguro Acidentes ou RC Acidentes;
  • Garante ao transportador rodoviário o reembolso de indenizações por prejuízos causados às mercadorias transportadas sob sua responsabilidade, caso ocorra acidente rodoviário durante o transporte; 
  • As suas coberturas básicas incluem:
    • colisão;
    • capotagem;
    • abalroamento;
    • tombamento;
    • incêndio ou explosão.
  • É válido em todo o território nacional, mediante a apresentação do conhecimento de transporte rodoviário, nota de embarque ou de outro documento que comprove a contratação do transporte.

Seguro de Responsabilidade Civil do Transportador em Viagem Internacional (Danos à Carga Transportada) – RCTR-VI:

  • É um seguro de carga obrigatório;
  • Conhecido também como carta azul;
  • Utilizado na circulação dos meios de transporte no Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Chile e Peru;
  • Garante indenização por perdas ou danos sofridos pelos bens ou mercadorias de propriedade de terceiros que são transportados, da origem ao destino final, desde que causados por:
    • colisão;
    • capotagem;
    • abalroamento;
    • tombamento;
    • incêndio ou explosão do veículo transportador.

Responsabilidade Civil Facultativa do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga – RCF-DC:

  • É um seguro de carga facultativo, ou seja, opcional;
  • Normalmente, é chamado de seguro de roubo;
  • Pode ser considerado um seguro de carga complementar aos seguros de acidente (nacional e internacional);
  • Garante proteção contra o risco de roubo de cargas transportadas;
  • A sua cobertura abrange roubo por ameaça grave ou violência;
  • É um seguro complexo em função da grande variedade de cargas, tipos de transporte, mercadoria, embalagem, perecibilidade, destino, período coberto, frequência de ocorrências e valores indenizados;
  • Quanto menores a frequência e os valores indenizados, menor será a taxa deste seguro de carga.

Como funciona o seguro de frete?

Além de dominar os tipos de seguro de transportes, também é fundamental que você conheça as formas de contratação de apólices de seguro de carga. Isso costuma definir a duração da apólice, como você já vai entender.

Cargas avulsas ou embarque único

  • Como o nome indica, é um seguro de carga válido somente para uma única viagem;
  • Pode ser contratado apenas pelo embarcador;
  • Indicado para transporte com veículos próprios, agregados ou autônomos;
  • Costuma ser utilizado para transporte de máquinas ou equipamentos de alto valor que farão apenas um embarque.
  • Do ponto de vista financeiro, é uma alternativa vantajosa apenas para casos pontuais. A partir do momento que o embarcador passa a ter uma recorrência, o seguro mensal se torna a opção mais econômica.

Apólice mensal ou embarque múltiplo

  • É o seguro de carga ideal para quem realiza transporte de cargas regularmente ou com bastante frequência;
  • Cada embarque necessita de uma averbação com todas as características da viagem e da mercadoria;
  • Na sua contratação, devem ser definidos a vigência, o limite por embarque e o número de averbações possíveis na contratação da apólice.

Qual o valor do seguro de carga?

Na verdade, não existe um valor fixo, porque há uma série de fatores analisada pelas seguradoras para que o valor do seguro de carga seja definido.

Para definir o custo mínimo mensal do seguro de carga, existe um formulário a ser preenchido pelo segurado. No questionário, informações sobre a carga e a rota, por exemplo, são importantes para que a seguradora possa definir o valor do prêmio do seguro. Confira algumas informações exigidas no formulário:

  • Tipo de carga transportada;
  • O tipo da região (se é de grande circulação);
  • Valor médio cobrado pelo frete;
  • Abrangência da cobertura (condições incluídas na apólice);
  • Tipo de veículo (se é agregado, frota própria etc);
  • Histórico de ocorrência de sinistros.

Qual o valor do seguro RCF-DC (desaparecimento de carga)?

Para definir o valor do seguro de carga que garante a cobertura para desaparecimento de carga, o RCF-DC, é comum que a seguradora ainda exija o gerenciamento de risco, que é fornecido por empresas terceirizadas.

O GRIS é uma tecnologia capaz de fazer o monitoramento e acompanhamento da carga nas etapas do processo de entrega, minimizando os riscos pelos quais a prestação de serviço de transporte passa nas estradas.

Todo o detalhamento oferecido pelo segurado, assim, é capaz de definir o prêmio do seguro de carga. E é sempre importante lembrar que, quanto mais informações forem fornecidas, mais baixo o valor tende a ficar!

Como calcular o seguro de frete?

Você pode calcular o valor do seu Seguro de Carga com a nossa parceira, a Mutuus Seguros. Essa corretora online desenvolveu uma plataforma ágil e 100% digital, que garante facilidade e transparência na cotação até a contratação do seguro.

Trata-se do melhor custo em apólices mensais que você vai encontrar. Então, caso você já tenha um seguro vigente, a Mutuus faz a revisão da sua apólice, de forma gratuita, para oferecer as melhores condições.

Não perca tempo. Fale agora com um especialista!

E sobre economia, não se esqueça de que, logo adiante, você vai conferir nossas 10 incríveis dicas para economizar no seguro. Continue acompanhando para não perder!

Por que existem duas apólices de seguro de carga?

Muita gente me pergunta qual seria a razão para contratar duas apólices diferentes de seguro de carga — do embarcador e do transportador — para o mesmo fim. Outro questionamento frequente é: tendo os dois tipos de seguro, se ocorrer um sinistro, ambos os segurados serão reembolsados?

Criei um esquema para explicar o que acontece em um sinistro de seguro de carga. Confira:

Seguro de carga: Processo de sinistro

Como você deve ter visto, a carga em si será paga apenas uma vez. No entanto, a seguradora do embarcador cobrará a responsabilidade civil de quem cometeu o sinistro, por isso, é preciso que o transportador também tenha um seguro de carga para estar protegido.

Qual é a diferença entre seguro de frete e seguro de veículo?

A principal diferença entre o seguro de carga e o seguro de caminhão está relacionada ao objeto segurado. Em um, existe a cobertura relacionada à danos e roubo de mercadorias. No outro, a cobertura oferece proteção ao veículo.

Inclusive, o modo de contratação do seguro de carga e seguro de veículo é diferente. O seguro do veículo é de responsabilidade do proprietário – seja ele autônomo ou uma empresa transportadora. O seguro de carga, por sua vez, costuma ser contratado pela transportadora e embarcador.

Grave mais esta diferença: o seguro de cargas não oferece coberturas para terceiros, mas apenas à mercadoria. Já o seguro de caminhão também possui condições para as pessoas envolvidas – terceiros ou passageiros do veículo.

Qual o papel do seguro de cargas no dia a dia do comércio exterior?

A cadeia de distribuição de mercadorias do Comércio Exterior é bastante complexa. O seguro de transporte de cargas, nesse contexto, evita prejuízos com roubo e danos à mercadoria. Dessa forma, com o seguro, o dono da mercadoria fica protegido nas operações de transporte internacionais.

Você não pode esquecer do gerenciamento de risco!

Como forma de prevenção e redução de custos, é muito importante que você também conheça as opções quando o assunto é gerenciamento de risco. Por isso, segue uma lista das principais empresas que atuam no mercado brasileiro:

  • Buonny;
  • Brasil Risk;
  • Control Risc;
  • Control Way;
  • Digr;
  • Global;
  • GS Service;
  • Skymark;
  • Monytor.

A dica aqui é entender como cada uma funciona e o que oferece para você avaliar se está usando a melhor opção para sua empresa.

Como fazer a averbação para o seguro de carga?

Quando um serviço de transporte é realizado, a empresa contratante do seguro de transporte de cargas precisa comunicar informações sobre o frete e mercadoria à seguradora. O procedimento se chama “averbação”. As informações que devem ser comunicadas ficam contidas nos documentos fiscais, que são:

É fácil fazer a comunicação das informações necessárias pela internet, preenchendo os seguintes dados:

  • Valor da mercadoria transportada;
  • Origem e destino da mercadoria;
  • Número da apólice de seguro de transporte;
  • CT-e e chave de acesso;
  • Informações do veículo e motorista;
  • Data de início da viagem.

Ainda é possível realizar a comunicação à seguradora do seguro de transporte por meio de soluções tecnológicas, como plataformas, que facilitam todo o processo.

O que é Dispensa do Direito de Regresso (DDR) no seguro de carga?

Por fim, vou me deter por um breve momento a falar sobre a Dispensa do Direito de Regresso. A questão gera bastante polêmica, então, é essencial saber do que se trata.

A DDR é um documento emitido pela seguradora de carga do embarcador. A carta indica que, em caso de sinistro, a companhia não entrará com uma ação contra o transportador, desde que tenham sido seguidas as orientações de gerenciamento de risco.

Portanto, caso o transportador não conte com um seguro de carga, porém tenha uma carta DDR e provas de que seguiu todas as normas da gerenciadora de risco, ele poderá se livrar de reembolsar a seguradora do embarcador.

Polêmica sobre a carta DDR

A Dispensa do Direito de Regresso vem sendo usada há muitos anos pelos embarcadores, como uma forma de não pagar o Ad Valorem aos transportadores. Segundo os embarcadores, já que a seguradora de carga emite uma carta DDR, o transportador estaria livre de contratar o seguro RCTR C. 

Contudo, como já mencionei, esse seguro de carga é obrigatório, ou seja, o transportador não está dispensado mesmo com a DDR. Por outro lado, o que costuma acontecer é que o transportador pode deixar de fazer o RCF DC quando tem a carta DDR. Nesse caso, se tiver RCTR C e a DDR, ele está dentro da lei.

O que fazer em caso de sinistro no seguro de transporte?

Em caso de ocorrência de um sinistro, a seguradora responsável pela apólice do seguro transporte de carga deverá ser informada imediatamente. A comunicação poderá ser feita diretamente com ela ou por intermédio da corretora de seguros.

Para a comprovação, depois o segurado deverá enviar os documentos necessários, explicando o tamanho da perda e os danos materiais sofridos no sinistro.

Depois que a documentação for recebida, a seguradora inicia o procedimento de avaliação do sinistro ocorrido. Ela leva em conta questões como os danos e análise da cobertura prevista na apólice, por exemplo.

Quanto tempo leva para o pagamento da indenização?

Depois que a documentação prevista na apólice é fornecida à seguradora, a SUSEP determina o prazo de 30 dias para o recebimento da indenização de seguro de frete.

Vamos supor que, nesse processo de envio de documentações, foram necessárias novas informações. Se isso acontecer, o prazo é suspenso e a contagem do prazo é reiniciada.

Quando as exigências de documentos forem finalmente atendidas, a contagem reinicia no dia últil subsequente à data.

Seguradora de cargas: Conheça as principais

A maioria das seguradoras de carga no Brasil trabalha tanto com o embarcador quanto com o transportador, porém existem algumas com um foco maior nas empresas de transporte.

Assim, sugiro que você comece a pesquisar por essas companhias, uma vez que elas já conhecem melhor as suas necessidades e podem oferecer os produtos certos.

Confira abaixo a lista de seguradoras de carga que atuam no mercado brasileiro. Ordenamos de acordo com esse foco, sendo que os dados levam em conta o prêmio de seguro de carga em relação às seguradoras no ano de 2020.

Seguradoras de seguro de carga

Confira a lista completa, em ordem alfabética:

  • Aig;
  • Allianz Seguros;
  • American Life Companhia de Seguros;
  • Argo Seguros;
  • Axa;
  • Berkley;
  • Bradesco;
  • Chubb;
  • Essor Seguros;
  • Ezzor Seguros;
  • Fairfax Brasil;
  • Generali Brasil Seguros;
  • Gente Seguradora;
  • HDI;
  • Indiana Seguros;
  • Investprev Seguradora;
  • Liberty;
  • Mapfre Seguros;
  • Mitsui Sumitomo;
  • Porto Seguro;
  • Sura;
  • Sompo Seguros;
  • Starr Internacional Brasil;
  • Swiss RE;
  • Tokio Marine;
  • XL Brasil Seguros;
  • Zurich Minas Brasil Seguros.

10 dicas exclusivas para você economizar ao contratar!

Seguro de transporte de cargas: Dicas para economizar

A lógica do funcionamento do seguro de carga é baseada em estatística e negociação. Talvez você não saiba, mas existem dois dados importantes que dizem respeito a esse fato:

  • de cada R$ 100 que as seguradoras de carga recebem em prêmios de seguro de carga de acidente, R$ 58 são gastos com sinistros;
  • de cada R$ 100 que as seguradoras de carga recebem em prêmios de seguro para roubo, R$ 72 são gastos reembolsando os embarcadores.

Logo, isso significa que se houver menos acidentes ou roubos, a tendência é, certamente, que o valor do prêmio do seguro de cargas também diminua.

Infelizmente, o que estamos dizendo é que não existe mágica. A seguradora simplesmente cobra o custo necessário para cobrir os sinistros que acontecerão, para pagar as despesas da operação do negócio e lucrar com o que sobrar. Faz sentido, não é mesmo?

Bom, sabendo dessa lógica por parte das seguradoras, vamos às dicas!

1. Certifique-se de que as regiões nas quais você entrega estejam atualizadas na apólice

As regiões com menores índices de acidentes rodoviários ou roubos de carga representam riscos menores para as seguradoras. Sendo assim, esse é um fator determinante do valor do prêmio do seguro de carga.

O que isso tem a ver com você? Pense comigo: é muito provável que você tenha contratado a apólice já há algum tempo. Naquele momento, estimou as regiões nas quais faria mais entregas. Mas elas continuam as mesmas até hoje?

Se a sua zona de atuação mudou, é importante avaliar as novas regiões. Esse ponto pode ser uma oportunidade de rever o contrato de seguro de frete e diminuir a taxa que está pagando.

Afinal, se nas novas regiões os índices de roubos e acidentes forem menores, você poderá pleitear uma redução no custo da apólice, não é?

Veja aqui as regiões mais arriscadas para roubo de cargas:

Seguro de carga: Risco de roubo no Brasil

2. Verifique se o tipo de mercadoria que transporta mudou desde que contratou o seguro de carga RCF DC

Aqui, temos a mesma situação da primeira dica, porém em relação à carga. O tipo de carga transportada está diretamente ligado ao valor da taxa do seguro de carga. Isso ocorre porque existem cargas mais visadas pelos criminosos — com índices de roubo maiores — e outras menos.

Abaixo, listamos as mercadorias “preferidas” dos ladrões. Logo, se você não transporta esse tipo de produto, é bom rever a sua taxa junto à corretora de seguros.

Seguro de carga: Mercadorias mais roubadas em São Paulo
Em R$ milhões, dados de 2011, no estado de São Paulo

3. Considere o Gerenciamento de Riscos como uma forma de prevenção

Normalmente, os transportadores só pensam em Gerenciamento de Risco quando o assunto é roubo de cargas. No entanto, apesar da incidência desses eventos ser muito alta no país, a maioria das ocorrências de sinistros no Brasil tem relação com outros tipos de danos. Aqui estão alguns deles:

  • queda de mercadoria;
  • molhadura;
  • extravio de carga;
  • falta;
  • colisão;
  • tombamento;
  • avaria durante o transporte;
  • avarias da carga.

Dessa forma, ao considerar a possibilidade do Gerenciamento de Riscos com soluções como a Buonny, por exemplo, você ganhará utilidades para os eventos acima e estará muito à frente de outras transportadoras. 

Por fim, saiba que é importantíssimo investir em prevenção. Assim, além de evitar essas ocorrências, você ganha créditos com as seguradoras de carga. Certamente, isso também ajuda a reduzir o valor do prêmio do seguro de carga.

4. Valorize o bom cadastro

Por falar em uma boa reputação, ter um bom histórico parece uma dica óbvia. Contudo, a verdade é que poucos levam isso realmente a sério. 

Acontece, porém, que ter uma ficha limpa junto às seguradoras significa que a sua empresa tem menos chances de acionar o seguro de carga. Isso conta pontos a seu favor e também pode fazer diferença na hora de negociar o custo da apólice.

5. Tenha atenção ao valor coberto pela apólice

Imagine que você vai contratar uma apólice de seguro de carga com vigência de um ano. O corretor precisará saber qual é o valor médio das cargas que o seu negócio transporta.

Assim, vamos supor que você responda que as suas cargas têm um valor médio de R$ 100 mil, mas que, eventualmente, transporta cargas de até R$ 500 mil. Se o corretor sugerir que o valor a ser coberto pelo seguro de frete seja de R$ 500 mil, não aceite. Isso não faz sentido e, evidentemente, aumentará bastante o valor do prêmio do seguro de carga.

Então, o que fazer? Bom, nesse caso, o melhor é contratar uma apólice no valor de R$ 100 mil. Dessa forma, quando e se tiver que transportar valores maiores, você poderá informar ao seu corretor e pagar a diferença apenas por aquele embarque.

Muita gente não sabe que é possível proceder desse modo. Porém, é uma grande oportunidade de redução de custo do seguro de carga.

6. Entenda em detalhes as coberturas sugeridas pelo corretor

Em toda contratação de seguro de carga, você terá direito a uma cobertura básica e pagará a mais por coberturas adicionais. No entanto, existe uma série de coberturas desse tipo. Logo, é fundamental que você avalie a real necessidade de cada adicional na apólice e corte aquelas que não fazem sentido. Para tanto, dê uma olhada nas três principais modalidades de coberturas. Considere que a Ampla A é a mais completa, por isso é aquela que terá o custo mais elevado:

CausaTipo de cobertura ATipo de cobertura BTipo de cobertura C
Incêndio, raio ou explosãoxxx
Encalhe, naufrágio ou soçobramento do navioxxx
Capotagem, colisão, tombamento ou descarrilamento de veículo terrestrexxx
Abalroamento, colisão ou contato do navio ou embarcação com qualquer objeto externo que não seja águaxxx
Colisão, queda e/ou aterrissagem forçada da aeronava, devidamente comprovadaxxx
Descarga da carga em ponto de arribadaxxx
Carga lançada ao marxxx
Perda total de qualquer volume, durante as operações de carga e descarga do navioxxx
Perda total decorrente de fortuna do mar e/ou arrebatamento pelo marxxx
Inundação, transbordamento de cursos d’água, represas, lagos ou lagoas durante a viagem terrestrexx
Desmoronamento ou queda de pedras, terras, obras de arte de qualquer natureza ou outros objetos durante a viagem terrestrexx
Terremoto ou erupção vulcânicaxx
Entrada de água do mar, lago ou rio, na embarcação ou no navio, veículo, “container”, furgão (“liftvan”) ou local de armazenagemxx
Quaisquer causas externas, exceto as previstas na cláusula de prejuízos não indenizáveisx

7. Avalie o que é de fato mais em conta: DDR ou Seguro de Roubo (RCF DC)

Ao fazer o seguro de transportes, o embarcador pode pedir à seguradora de carga para incluir na apólice a Dispensa do Direito de Regresso. Como mencionei, em teoria, ela livraria o transportador da obrigação de pagar pela carga em caso de roubo.

No entanto, a carta DDR vem junto de uma série de exigências do Gerenciamento de Risco. Muitas vezes, o problema é que custa mais caro para o transportador cumpri-las do que contratar a apólice do seguro de carga de roubo.

Portanto, é muito importante que você avalie bem e faça uma comparação para entender o que vale mais a pena no seu caso. É claro que é mais difícil negociar com grandes embarcadores, mas em empresas menores, pode haver essa possibilidade.

8. Prefira a contratação da apólice mensal 

Lembra que no início do artigo falamos sobre as diferentes formas de contratação do seguro de carga? Se você viaja com frequência, evidentemente não faz nenhum sentido contratar um seguro de carga avulsa ou de embarque único.  

Isso significa que o ideal, no seu caso, é fazer o segundo tipo de contratação, ou seja, de embarque múltiplo. Assim, existe a possibilidade de contratar uma apólice anual (simplificada) e pagar um valor fechado antecipadamente ou de forma fracionada. 

Contudo, você também pode contratar apólices mensais ou abertas. Esse modelo pode ser mais econômico porque, além de pagar depois do risco decorrido, você vai quitando mês a mês, conforme as averbações.

9. Antes de renovar, considere outras opções no mercado

Você sabia que, mesmo trocando de seguradora de carga, não perde o seu histórico? Então, antes de fechar a renovação do seguro de transportes, é sempre bom avaliar outras opções, afinal, é possível encontrar valores melhores.

Atualmente, no Brasil, existem mais de vinte seguradoras que trabalham com seguro de carga, por isso, você não tem desculpa para não pesquisar. 

Todavia, também não dá para esquecer que, além do preço, tem a questão da credibilidade da companhia. Logo, converse com o seu corretor sobre outras possibilidades e analisem juntos a situação. 

Mais adiante, listarei todas as seguradoras de carga do mercado brasileiro.

10. Tente negociar o valor do prêmio 

Por fim, é bom saber que o seguro de frete é um tipo de produto que sempre terá margem para negociação. Portanto, é fundamental você tentar dar aquela “chorada” para fechar o melhor valor.

Para tanto, considere que, à medida que a frota da sua empresa aumenta, o seu poder de negociação também aumentará, logo, não desperdice isso. Já vi empresas conseguirem até 65% de desconto sobre o valor de tabela da seguradora de carga.

Dica bônus: fique atento ao valor da franquia

Eu sei que você faz o seguro de transportes pensando em não usá-lo. Foi o que comentamos lá no começo do artigo, lembra? No entanto, se precisar acioná-lo, poderá ter uma enorme dor de cabeça, caso não se atente ao valor da franquia na contratação.

Isso porque pode acontecer de você encontrar um seguro que tenha um prêmio de custo bem baixo, mas ter que desembolsar uma “bolada” em uma situação de sinistro. Portanto, fique esperto com o valor da franquia!

Como fazer seguro de carga?

Você pode fazer seu seguro de carga com a Mutuus Seguros, corretora especialista nesta modalidade! Entre em contato com a nossa parceira hoje e, caso você já tenha um seguro, solicite a revisão de sua apólice com um especialista.

Considerações finais

Para concluir esse material sobre seguro de transportes, gostaria que você refletisse sobre todos os pontos que foram colocados. Pense que as opções existem, então depende de você fazer acontecer!

Além disso, vale dizer que essas dicas são muito úteis e devem, é claro, ser usadas com ética. Lembre-se que, ao fornecer informações não verdadeiras à seguradora, você corre o risco de ter o pagamento do sinistro negado. Não vale nem um pouco a pena fazer isso!

Agora, vamos recapitular as 10 dicas para economizar no seguro de frete:

  1. Certifique-se que as regiões onde você entrega não estão desatualizadas na apólice;
  2. Verifique se o tipo de mercadorias com as quais trabalha não mudou desde que fez a apólice de roubo;
  3. Pense no Gerenciamento de Riscos como uma forma de prevenção;
  4. Valorize o bom cadastro;
  5. Fique atento ao valor a ser coberto pela apólice;
  6. Entenda em detalhes as coberturas sugeridas pelo corretor de seguros;
  7. Avalie o que é de fato mais em conta: DDR ou Seguro de Roubo (RCF DC);
  8. Prefira a contratação da apólice mensal;
  9. Antes de renovar, considere outras opções no mercado;
  10. Tente negociar o valor do prêmio.

O que você achou das dicas? Não se esqueça de comentar logo abaixo! Estou curioso para saber a sua opinião e conhecer a sua experiência sobre esse assunto. Até a próxima!

Redação do Frete com Lucro

Redação do Frete com Lucro

2 respostas

  1. Ótimo artigo, bem esclarecedor e de fácil compreensão. Eu que não entendia de seguro de carga, consegui ter uma ótima noção agora! Parabéns!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe este conteúdo
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
F-azul-transp.png

Seja um assinante Frete com Lucro e receba conteúdos exclusivos.